Outubro Rosa: Prevenção Vs Detecção Precoce

Estamos entrando no mês do “Outubro Rosa”. O mês que mais se fala de câncer de mama e de “prevenção” da doença. O meu corpo contorce-se cada vez que ouço a palavra “prevenção” associada aos exames: mamografia, ultrassonografia, autoexame….Por isso resolvi escrever este post, para distinguir o que é realmente Prevenção e o que é  a Detecção Precoce do Câncer de Mama.

prevencao e detecao precoce

Detecção Precoce – Exames anuais

Estes exames permitem que, caso exista algum tumor, ele possa ser detectado em fase inicial e, assim ser aplicado um protocolo de tratamento menos agressivo. Ou, mesmo que seja agressivo (pois o protocolo de tratamento tem em conta mais fatores além do tipo de câncer de mama e do tamanho, como por exemplo, a idade), aumentam as chances de cura. Hoje em dia, quando o tumor é detectado em fase inicial, as chances de cura e de sobrevida pelos próximos 5 anos, rondam os 100%. Por isso é tão importante acompanharmos a nossa saúde.

Ninguém está livre e cabe-nos a nós fazer este acompanhamento que consiste:

  • Ida anual ao seu ginecologista (se tiver casos de câncer de mama/ovários na família, deve ir de 6 em 6 meses) a partir da 1ª menstruação;
  • Ultrassom da mama para mulheres acima de 18 anos;
  • Mamografia a partir dos 35 anos;
  • Autoexame da mama (para homens e mulheres).Autoexame-minha-vida-comigo

Prevenção

A prevenção do câncer de mama (e de outros tipos de câncer e doenças) está na nossas escolhas do dia a dia. Temos a tendência de pôr a responsabilidade na nossa genética ou no nosso médico. No entanto, apenas cerca de 5% dos casos de câncer são por conta da genética. Acredito, baseado em estudos, que 70% são as nossas escolhas e o resto se deve ao ambiente e ao quanto não conseguimos nos aperceber para reagir. E os médicos, de forma geral, cuidam das doenças, não da saúde. Quem cuida da nossa saúde somos nós.escolhas vania castanheiraNão podemos prever o futuro e nem ter 100% de certeza que não vamos adoecer. No entanto, sabemos que temos poder através de algumas escolhas na nossa vida e podemos tomar algumas atitudes que aumentam a chance de nos trazer mais saúde.  Quer saber como?

Tendo uma estrutura de autocuidado e de gerenciamento do nosso estresse:

  1. Nutrição – dieta saudável e variada. Evitar alimentos processados e refinados e churrasco (por conta do processo de cozimento da carne/peixe). Dar preferência à “comida de verdade”, natural: Vegetais, frutas, legumes, proteínas magras, gorduras boas (óleo de coco, azeite extra virgem de oliva, abacate, castanhas…..), proteínas de origem vegetal (grão de bico, lentilhas, feijão,….).  Mais dicas sobre este assunto AQUI. Sugiro procurar um nutricionista para um acompanhamento mais individual e apropriado, suplementar o que seja necessário (infelizmente já não conseguimos ir buscar tudo à alimentação) e fazer um exame de intolerâncias alimentares;
  2. Atividade Física – procurar algo que dê prazer. Pode ser caminhar, dançar, pedalar, patinar, lutar, etc. Cada um escolhe o seu. E fazer de forma consistente e mais intensa e curta (de preferência diariamente). Sugiro cerca de 30 minutos 5 vezes na semana e, sempre que possível, escolher as escadas ao invés do elevador e a caminhada ao invés do carro. Para quem trabalha sentada/o, a cada 1h levantar, espreguiçar e ajeitar a postura;
  3. Descanso – 8h diárias de sono num ambiente escuro e sem estímulos visuais. Deitando e acordando sempre no mesmo horário. Uma rotina de sono ajuda a ficar serena e a manter o equilibrio. Ler um livro, escutar música relaxante, meditar e praticar yoga são maneiras de preparar o corpo e a mente para um bom repouso. E fazer algumas pausas de 5min, ao longo do dia, que não requeiram atenção intelectual, ao longo do dia (a cada 2/3h, por exemplo);
  4. Ter um ritual matinal – A maneira como começamos o dia tem um impacto no resto do dia. E isto vale para todos os dias da semana:
    1. Acordar, sorrir, agradecer a noite de sono, respirar profundamente, alongar e levantar devagar;
    2. É fundamental começar hidratando, tomando 500/600ml de água. Ajuda a limpar os intestinos, a ativar a circulação, e a despertar o cérebro, os rins e diversos sistemas do corpo.
    3. Depois  mais um copo de água com 1 limão espremido e esperar cerca de 20 minutos para tomar o café da manhã.
    4. Aproveitar e, nesta espera, meditar ou alongar, tomar um banho em modo “mindfull”, estando de corpo e mente presente em cada etapa. Observar a água caindo, sentirmos cada parte do corpo quando passamos o sabonete…..
    5. Café da manhã – a minha escolha pessoal é sem carboidratos para não quebrar o jejum com açúcar. Quando comemos um carboidrato (qualquer um – seja pão, macarrão, bolo, banana, mel, suco de frutas, refrigerante, sorvete… qualquer um), ele se transforma em glicose (açúcar) no nosso corpo. E quanto mais comemos, mais temos vontade de comer. O importante aqui é comermos alimentos naturais verdadeiros, com baixo teor de carboidratos e elevado teor de gorduras naturais e proteínas. No entanto, é importante ver com um profissional o que é mais adequado para cada um de nós (cada um tem sua bio-individualidade);
  1. Água – Qual é a qualidade e a quantidade de água que está ingerindo? Leia mais neste post AQUI;
  2. Relaxamento e respiração – aprender técnicas de equilíbrio mente-corpo para reequilibrar e baixar os níveis de estresse no corpo e na mente. Se tiver interesse, aprenda uma técnica de meditação e medite diariamente, num mesmo horário;
  3. Estabelecer os Limites –entre os vários papéis da nossa vida (ter tempo para nós, para a profissional, esposa, mãe, filha…). Estabelecer a diferença entre os papeis em que nós ajudamos e os outros papeis da nossa vida;
  4. Desapegar do Controle – reconhecer o que podemos e o que não podemos controlar (que na verdade é nada! A única coisa que podemos controlar é a forma como reagimos ao que vai acontecendo, o sentido que damos, a perspectiva,…10% do que acontece é a vida e os outros 90% é o que nós fazemos com ela );
  5. Ter táticas de saída – ter uma saída segura de desabafo da frustração, raiva e tristeza (para desabafar tudo! A “junk” emocional. E fazer isto regularmente sem deixar acumular);
  6. Apoio Social – ter um apoio social para receber informação, apoio emocional e ajuda tangível (ex.: um lugar onde aprendemos, sentar com amigos, com grupo de apoio, ter um Coach e/ou Terapeuta,…). Para além disso, aproximarmo-nos das pessoas que nos fazem bem e afastar das que fazem o contrário. A vida é curta para gastarmos tempo com quem não nos faz bem;
  7. Ter prazer – ter, na nossa semana e , se possível, todos os dias, algo que lhe nos dê prazer e que não esteja conectado com nenhuma função/tarefa. Algo que nós escolhemos e que é nosso!;
  8. Alimentar o lado espiritual – ter crenças internas fortalecedoras que signifiquem algo para nós e alimente a nossa espiritualidade (isto aumenta a sua sensação de poder);
  9. Identificar fatores de estresse – Reconhecer os nossos fatores de estresse individuais e, na medida do possível e  elimina-los (ou procurar ajuda para o fazer);
  10. Gosta de natureza? Reservar alguns minutos por dia para sentir o sol na pele. De preferencia antes das 10h ou depois das 16h. Ajuda a repor os níveis de vitamina D. Quando possível, pôr seus pés descalços na terra ou na areia e recarregar a nossa energia vital com a da natureza. Nós fazemos parte da natureza mas, com a vida moderna, esquecemo-nos disso;
  11. Sermos Gratos e expressar mais afeto no nosso dia – Agradecer todos os dias pelas 3 melhores coisas do nosso dia. Dizer às pessoa que amamos que as amamos. Elas podem saber mas ser lembrado disso faz com que o nosso corpo produza endorfinas e com que nos conecta mais facilmente nos relacionamentos;
  12. Contribuição – Precisamos de uma razão, para além da nossa sobrevivência para vivermos. Para que acordamos todas as manhãs e seguimos com nossa rotina? O que nos motiva? O que fazemos para ajudar os outros? Fazer algo que beneficie alguém sem beneficio próprio. Fazer o bem faz com que produzamos endorfinas e nos cause prazer. Estudos dizem que as pessoas que têm relacionamentos mais íntimos e que se envolvem na comunidade em que vivem, são mais felizes e têm um sentimento de propósito.

Qual, das áreas acima, você precisa dar mais atenção? Por onde pode começar?

Eu acredito que tudo o que acontece na vida tem uma razão e que o motivo somos nós. O nosso corpo não nos quer fazer mal. O Medical Coaching parte do princípio que todo o comportamento do nosso corpo tem uma intenção positiva. Se ele provocou algo em nós é porque ele esta querendo comunicar algo. O que o nosso corpo está querendo nos dizer? 

Se o Outubro Rosa serve para nos lembrar de algo é de que somos humanos e responsáveis pela nossa saúde. Precisamos fazer, impreterivelmente, os exames anuais mas eles não são prevenção. São um sistema de detecção precoce. Nós somos um todo. Não somos só a mulher, a mãe, a filha, a profissional. Somos um todo e precisamos de cuidar de nós a vários níveis. É desta forma que nos protegemos de doenças criticas e/ou crônicas. É desta forma que nos equilibramos e podemos aproveitar a vida. Esta passagem tão curta e que não sabemos quando termina. E enquanto estamos aqui, vamos aproveitar?

vania castanheira

Associada:

Associada e Membro da Harvard Medical School

Associada Institute of Coaching da Harvard Medical School

 

 

Siga também:
Instagram e Twitter @minhavidacomigo
Facebook https://www.facebook.com/MinhaVidaComigo
Youtube https://www.youtube.com/user/vaniacastanheira

Un comentário to “Outubro Rosa: Prevenção Vs Detecção Precoce”

  1. 2 de outubro de 2017 às 07:46

    gostei do artigo! Após o câncer de mama aprendi muita coisa, mudei meus hábitos e tento levar a vida com menos stress.
    Um ótimo dia para vocês.

Escreva um comentário

*