O cateter

O que é o tal do cateter?

Para mim, a noticia de que teria que por um, só significava mais uma cirurgia, mais uma anestesia, mais um corte e mais “picadas” de agulhas! Não queria ser mais furada!

Tinha acabado de tirar um “bichinho” e iria ter que por um objeto estranho dentro de mim. Descobri, umas semanas depois, que, na verdade, esse objeto do tamanho de uma moeda de 1 real, era um “amigo”. Uma tomada cujos tubos plugam e parece uma trela, por onde recebemos a poção “mágica”. Viramos por algumas horas reféns e “cachorrinhos” da “Rainha de Copas”!

O cateter porth-a-cath (totalmente implantado) foi colocado um pouco abaixo da clavícula (na subclávia) e fica diretamente ligado à veia que chega no coração, a veia jugular. Este objeto é, portanto, literalmente, o meu “amigo do peito”! Desta forma, posso receber a quimioterapia por aqui (e não pelas veias dos braços).

Vantagens deste nosso amiguinho:
– ficamos com os braços livres. Dá-nos maior conforto e mobilidade;
– evita aquelas punções constantes atrás da veia que é mais resistente;
– evita necroses e trombose venosa.

Como é colocado? Numa rápida cirurgia com anestesia local. Fazem um furinho no pescoço e um corte paralelo à clavícula e acima do peito.

A primeira semana com ele colocado não é muito “simpática”. Dá desconforto e dói um pouco. Mas passadas estas sensações, é a melhor coisa para recebermos o “elixir da juventude”. A punção que é feita pela enfermeira, quando chegamos à sala de quimioterapia, é muito rápida. Dá uma dor rápida, um “suorzinho”. Mas é respirar fundo que passa em seguida. Até porque assim que ela punciona, tira sangue e este vai para análise para ver como estão os leucócitos, neutrófilos, basófilos, etc. Então, a cabeça começa logo a fazer força para que os leucócitos estejam Samurais!

Veja abaixo, como é feita a punção do cateter, para aplicação da quimioterapia:

Eu coloquei o meu na véspera da 2ª quimioterapia, dia 1 de Abril (não, não é mentira). Não foi nada legal. Foi a quimioterapia que passei pior. Aconselho a que este nosso “amiguinho” seja colocado antes mesmo de começar a quimioterapia.

E tirar? Como terminei a quimioterapia no final de Agosto de 2013, retirei em Junho de 2014 (pode ver AQUI a minha carta de despedida ao meu “amigo do peito”). O cateter é mantido durante um tempo, caso seja necessário fazer quimioterapia novamente. O que não vai acontecer ☺.

Conclusão: Cateter é muito legal! Todo o mundo que faz quimioterapia devia colocar um! O cateter é nosso amigo. 😉

Agende uma sessão e dê um novo significado à doença e à sua vida. Marque a primeira sessão gratuita:e-mail-vania-2

 

Siga também:
Instagram e Twitter @minhavidacomigo
Facebook https://www.facebook.com/MinhaVidaComigo
Youtube https://www.youtube.com/user/vaniacastanheira

44 Comentários to “O cateter”

  1. Andreia
    5 de maio de 2018 às 21:55

    Ola Vania! Adoro o seu blog. Voce usava o portocath para fazer exame com contraste? Ou somente para exame de sangue e tratamento? Vou pôr mas meu medico disse para usar o portocath só em ultimo caso se realmente nao conseguirem pôr o cateter em outra veia para fazer o petscan. Apesar dele ter falado que colocará um que aceita o contrastepreferir de exame.

  2. 22 de junho de 2017 às 19:57

    boa noite eu tive o diagnostico de câncer ja fis cirurgia de intestino agora vai fazer 3 meses de cirurgia estou esperando marca a cirurgia de por o cateter to ansiosa por cer com anestesia local mas tenho qui por pra fazer 6 meses de qui mio

Escreva um comentário

*